Chiara e Athenagora-1_Sabe-se que Chiara Lubich estabeleceu um relacionamento privilegiado com Atenágoras, naquela época, Patriarca de Constantinopla. Poucos dias antes da histórica viagem de Papa Montini a Istambul, ela se encontrou com o Patriarca. A Rádio Vaticana entrevistou Chiara em 18 de julho de 1967:

Quais as suas primeiras impressões deste recente encontro com o Patriarca Atenágoras?

Quando me encontrei com esta grande personalidade do nosso tempo, tive a impressão de estar diante de um coração completamente aberto, de um pai, de alguém que ama as pessoas e que, não obstante a sua veneranda idade, possui um espírito jovial, rico de grande esperança e fé. A primeira impressão não foi a de me encontrar diante de um irmão separado de mim, mas com alguém que parece morar na nossa mesma casa.

Durante todo o tempo demonstrou sempre grande estima pelo Papa Paulo VI. Notei que ele acompanha todos os acontecimentos da Igreja Católica, especialmente as atividades do Papa, com extrema atenção e veneração.

chiara-lubich-athenagoras2Refletindo sobre este seu recente momento de diálogo com Atenágoras, qual é o seu pensamento sobre o iminente encontro entre Paulo VI e o Patriarca?

Devido à profunda fé de Atenágoras na caridade para com Cristo e os irmãos como essência do cristianismo, creio que o ato do Papa de convidar o Patriarca para visitar Roma, seja o gesto mais apropriado para demonstrar que a Igreja Católica é a Igreja da caridade, na qual o Papa, sucessor de Pedro, é aquele que mais ama.

Na sua opinião, depois deste encontro, as perspectivas e expectativas serão positivas?

Acredito que o Patriarca Atenágoras manifestará a sua convicção de que a caridade é o caminho para alcançar a unidade na verdade; caminho também indicado pelo Papa Paulo VI em um recente discurso dirigido a um grupo de estudantes ortodoxos. Com esta identidade das mesmas perspectivas sobre o caminho para alcançar a unidade, podemos esperar que o Santo Padre e Atenágoras encontrem soluções muito eficazes para dar início a colóquios teológicos e creio que neste clima podemos esperar tudo.

Por outro lado, a figura desta grande sentinela, que se ergue em Constantinopla como um profeta com a sua fé e o seu amor, não pode deixar de exercer uma grande influência no mundo ortodoxo, que ele mesmo em breve visitará antes de chegar a Roma.

Chiara Lubich e il Patriarca Athenagora_Como o Patriarca Atenágoras expressou a sua visão sobre a questão ecumênica durante o encontro que tiveram?

A visão ecumênica do Patriarca, cuja humildade e santidade transparecem em todas as atitudes e palavras, era evidente na última parte do longo encontro, quando nos falou da sua recente mensagem pascal. Disse: “Na Páscoa, tenho o hábito de publicar uma mensagem. A última diz: ‘Os dez primeiros séculos do cristianismo foram marcados pelos dogmas e pela organização; após dez séculos aconteceram as desgraças, os cismas, a divisão. A terceira época – esta – é a do amor. Neste caminho da caridade nos encontraremos no único cálice. Obviamente – continuou -, precisamos dos teólogos, mas as diferenças são muito pequenas e inexpressivas diante do sol do amor. As diferenças perderam a sua importância graças ao sol da caridade. Nos primeiros mil anos vivemos na comunhão, depois nos separamos’.” Portanto, aludindo à recente anulação das recíprocas excomunhões por parte da Igreja Católica e da Igreja Ortodoxa, ele afirmou: “Agora desapareceu o cisma; por que não voltarmos ao único cálice? Cremos na mesma Mãe, na Virgem, Mãe da Igreja, como disse o Papa; temos o mesmo batismo: a porta de entrada da Igreja. Por que não voltarmos ao único cálice?”