O que consola quem chora não são tanto as palavras bonitas, mas a presença fraterna de quem ama o próximo como a si mesmo. A presença de quem faz aos outros o que gostaria que eles lhe fizessem é uma presença motivada pelo amor verdadeiro.
O outro, sentindo-se amado, recebe o consolo que precisa, é aliviado da dor que lhe queima no peito e da angústia que dilacera a alma.
O amor se demonstra antes de tudo com gestos e atitudes. Depois disso as palavras ganham seu valor.
Com o nosso amor, fazemos chegar a quem chora o consolo de Deus.

Apolonio Carvalho Nascimento