Estava presente na abertura do Curso de Férias Latino-Americano promovido pelo Instituto Universitário Sophia para América Latina e Caribe (Sophia ALC) o reverendo Munhwhiro Niwano, esposo da presidente da Associação Budista Japonesa Risho Kossei-kai (RKK), Kosho Niwano.
O fundador da RKK, reverendo Nikkyo Niwano (pai de Kosho Niwano) foi também um dos iniciadores da Conferência Mundial das Religiões pela Paz (WCRP). Há mais de 30 anos iniciou-se um vigoroso dialogo entre a RKK e o Movimento dos Focolares, através dos dois fundadores, que se tornou uma profunda fraternidade em diferentes partes do mundo, inclusive no Brasil.
RKK
Como o senhor, que representa uma outra cultura, a oriental, e uma outra religião, a budista, vê a proposta de Sophia apresentada hoje?
Suscitou muito interesse a aula magna do professor Sérgio Rondinara. A ideia que ele propôs é que cada um tem uma disciplina, cada um está estudando sua própria matéria, mas que existe algo comum que supera a sua própria dimensão. Ele propôs construirmos juntos esta outra dimensão.
Embora cada um curse diferentes disciplinas, cada um fazendo sua faculdade, acredito que todos podem seguir e construir algo novo através da sua experiência e do diálogo, e também colocar o amor de Deus em sua própria área. Para nós, que somos japoneses e pertencemos ao budismo, temos muita esperança, pois podemos também trazer essa ideia para o budismo.
 
No contexto da crise que o mundo está atravessando, qual a sua opinião a esse respeito?
Há muitas questões ambientais, muitos conflitos que atualmente ocorrem entre os povos. Nós precisamos aprofundar a nossa fé, cada um na sua religião e assim  nos unirmos para juntos construir um mundo melhor.

Existe algum movimento no budismo, nesse sentido de promover a fraternidade em um ambiente acadêmico?

Existe um diálogo no Japão para resolver essas questões. Não só entre budistas dentro do Japão, mas entre budistas e outras religiões, como os muçulmanos e pessoas de outras religiões, sempre juntos. Há jovens que se unem e conversam, estabelecem um diálogo, e se unem para resolver conflitos globais.
Vocês conhecem a Conferência Mundial das Religiões pela Paz (WCRP)? A matriz fica em Nova Iorque, mas tem 70 filiais no mundo. São várias tradições religiosas que se unem. Há o diálogo e a cooperação religiosa para poder discutir e resolver, de forma concreta, questões de conflito e outros tipos de questões.
Por exemplo, são convidados líderes do Oriente Médio para irem ao Japão e se encontrarem com budistas, islâmicos e cristãos para discutir e poder resolver questões muçulmanas que não podem ser discutidas no Oriente Médio. A resolução dos conflitos não é instantânea, mas estando no Oriente Médio não dá nem para se encontrar. O primeiro passo é o encontro. São passos de formiguinha. É um passo a passo. É preciso muita paciência!