FamigliaRojas_PapaFrancesco - CopyFamigliaRojas_PapaFrancesco - CopySão casados há 23 anos e tem dois filhos adolescentes. Formados na fé cristã por suas famílias de origem, com sólidas bases cristãs, conheceram-se no Movimento dos Focolares, do qual fazem parte até hoje. «Tempos atrás trabalhamos com um grupo de jovens num bairro de periferia de Bogotá – contam (em seu testemunho no Sínodo) -. Lá nós brincávamos com as crianças, fazíamos a alfabetização dos adultos, prestávamos serviços médicos e dentários gratuitamente». Trata-se de Los Chircales, bairro onde atualmente está a sede do Centro Social Unidade, animado pelo Movimento dos Focolares, e no qual também os Rojas atuam: «Os obstáculos não faltaram – afirma o casal colombiano – a começar pela preocupação e o medo de ir a esses bairros e ambientes tão degradados. Mas o desejo de servir aqueles irmãos foi mais forte do que as nossas fragilidades».

FamigliaRojas_PapaFrancesco_bFamigliaRojas_PapaFrancesco_b«Nós nos casamos – dizem ao narrar fatos de sua história – e bem logo a graça do sacramento se manifestou». Caráteres muito diferentes: Luis “um tipo tranquilo”, Maria Angélica, “um vulcão”. «Sabíamos que o amor humano se esvai facilmente, os anos passam e o encanto inicial diminui. Por isso era importante fortalecer-nos nutrindo o nosso amor com o amor de Deus, que nos ensinava a amar nas pequenas coisas de cada dia». «Para mim significava não esperar ser sempre servido – confessa Luis – mas, ao invés, ir lavar os pratos ou escutar com atenção quando ela queria me contar alguma coisa. De seu lado, Maria Angélica assistia comigo a Fórmula 1…».

«Experimentamos que alimentando-nos da Eucaristia, aproximando-nos do sacramento da confissão, e permanecendo nessa atitude de amor recíproco, Jesus se faz presente entre nós, assim temos a luz para educar e corrigir os nossos filhos, e também a força para enfrentar as dificuldades que se apresentam».

«Pouco tempo atrás discutimos de maneira forte e a unidade entre nós foi pelos ares. Naquela noite fomos dormir sem nos pedir desculpas», uma das três palavras que, para o Papa Francisco, não podem faltar na vida de casal. «Telefonei para Lucho – conta Maria Angélica – e pedi desculpas por lhe ter respondido mal. Foi a ocasião para abrir um diálogo profundo entre nós. Certamente somos frágeis, mas justamente por isso queremos comprometer-nos a recomeçar a amar cada vez que erramos».

Junto aos bispos e sacerdotes de algumas cidades da Colômbia, com outras famílias e jovens, organizaram uma série de visitas a comunidades pobres. «A ideia era compartilhar as nossas experiências e proporcionar uma certa formação em família. Alguns desses casais nos confidenciaram o desejo que tinham de receber o sacramento do matrimônio».

20151016-0120151016-01
Intervista con Rome Reports (inglese)

«Acompanhando casais de noivos, vemos que, graças a essa aproximação, alguns jovens tomam corajosamente a decisão de escolher Deus como centro da própria vida, viver aspectos como a castidade na relação de casal, viver pelos outros, dedicando a isso tempo e energia».

«A nossa experiência – concluem – leva-nos a afirmar que, como é a família assim será a sociedade. Sabemos que as famílias são chamadas a coisas grandes, por isso pedimos todos os dias, à Sagrada Família, a graça de permanecer fieis ao amor, para ser construtores de uma sociedade mais humana e ao mesmo tempo mais divina. Sonhamos que, com a contribuição de todos, a humanidade transforme-se realmente numa família».