O “novo”, as mudanças, a alternância, são conceitos positivos. Porém, na prática, algumas vezes não são aceitos. O medo do fracasso, ou melhor, a incerteza do sucesso, pode nos deixar receosos.
Chiara Lubich, a fundadora dos focolares, teve a coragem de acreditar na mudança que começa a partir do indivíduo e chega ao coletivo.Ela gostava de usar expressões como: “Quem não progride regride”; “Quem não vai para frente vai para trás.”
Para nós é bom acreditarmos no novo, na mudança, como formas de crescimento. Quem não muda e não busca o “novo”, permanece limitado.
Quanto mais desafiadora for a mudança, maior será o conhecimento adquirido através dela.
Vamos abrir o coração e a mente às mudanças neste dia. Descobriremos que cada uma delas será uma oportunidade para crescermos no que já somos e no que fazemos.

Apolonio Carvalho Nascimento