A programação contará com o apoio dos Movimentos Humanidade Nova e Famílias Novas. O trabalho conjunto envolverá as crianças, os pais e os funcionários e professores da escola em torno do Dado do Amor, jogo que ensina os pontos da “Arte de Amar”.
Os organizadores pretendem distribuir Dados do Amor em papel, a serem coloridos e montados pelas  crianças. Trata-se de um cubo, em cujas seis faces estão representados esses pontos mais importantes da “Arte de Amar” e mais dois: Amar a Todos, Amar Jesus no Próximo, Ser o Primeiro a Amar: Tomar a Iniciativa, Fazer-se um: Colocar-se no Lugar do Outro, Amar os Inimigos e Amarmo-nos uns aos outros.

Em todo o mundo, cada gen 4 (a quarta geração do Movimento, renovada pelo Evangelho: as crianças)  possui o seu próprio “dado do amor”. Lança-o todas as manhãs para ter a sugestão de um dos pontos a viver durante aquele dia. Assim, treina essa “arte”.

HISTÓRIA DO “DADO”

Logo no início do Movimento, Chiara Lubich (sua fundadora) descobriu que, no Evangelho, Jesus nos ensina que a coisa mais importante é o Amor, é amar: amar a Deus que é nosso Pai e amar os outros, que são nossos irmãos.
Era como aprender uma arte, a “arte de amar”. Os membros do Movimento começaram a pô-la em prática, segundo as frases do Evangelho, e dali surgiu uma verdadeira “revolução de amor”, que atualmente atinge os cinco continentes.
Em 1998, Chiara explicou a “arte de amar” a mais de 1000 gen 4 reunidos num Congresso, em Roma.
Disse-lhes que, “para amar bem, é necessário fazer quatro coisas: amar a todos, ser o primeiro a amar, “ver Jesus no outro” e “fazer-se um” com os outros (isto é, amar os outros como a si próprio, identificar-se com as suas alegrias e tristezas).
Ali surgiu o “Dado do Amor”