“O vosso coração se alegrará e ninguém poderá tirar a vossa alegria.” (Jo 16,22-23)
A nossa alegria não deve ser apenas circunstancial, mas perene. É uma alegria que vem da certeza da fé, da constância na fidelidade ao amor, da presença do divino entre nós.
Jesus passou pelo sofrimento extremo da cruz para que ninguém ficasse sem resposta diante da dor. Nele todos os “porquês” são respondidos e todas as suas respostas mostram que a entrega total a Deus na hora da escuridão é garantia e certeza da ressurreição.
Portanto, mesmo se o meu coração gritar: “Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste?”, que todo o meu ser diga logo em seguida: “Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito”.
Esta é a alegria do Evangelho da qual devemos ser portadores: a certeza da salvação, a fé na ressurreição.

Apolonio Carvalho Nascimento