FAMÍLIA AMORIS LAETITIA

Este é o título do ano dedicado à família, que o Papa Francisco inaugurou hoje, dia 19 de março de 2021 – solenidade de São José – e que ele mesmo concluirá em 26 de junho de 2022, por ocasião do X Encontro Mundial das Famílias, em Roma.

Estas três palavras, Família Amoris Laetitia, reunidas numa síntese linguística bem-sucedida, já revelam o tesouro que o amor familiar representa para o mundo em termos de alegria e de beleza. O desígnio da família nutre-se do alto, do Amor dos amores e, embora sendo uma entidade frágil e frequentemente atacada, a família é depositária de um valor que não se encontra em outros lugares. Ela é o lugar onde opostos, como unidade e distinção, dom de si e liberdade absoluta, senso de pertença e necessidade de voar, erro e perdão, nascimento e morte, encontram a conjugação perfeita. Nela, o significado de harmonia, paz, alegria verdadeira, ternura, amor doado e recebido, aprende-se antes ainda de balbuciar as primeiras palavras. Diante desta obra-prima da criação, que gera vida, socialidade, futuro, realmente ficamos enamorados.

Era o verão de 1964. Chiara Lubich estava em Valtournenche, norte da Itália, com umas 40 famílias que haviam colocado Deus como alicerce de ser amor. Ao descrever os efeitos deste ato, a fundadora falou da sua impressão ao encontrar casualmente, um dia antes, uma delas: “Eu vi uma tal felicidade no rosto dela, tal felicidade no rosto dele, tão grande presença de Jesus entre eles (…) que suscitava – ela disse – uma potente atração sobre o mundo. Quando o mundo encontra uma família assim, acredito que não veja nada mais belo”.

Colocar sobre o candelabro a beleza do amor familiar é o projeto da Igreja para este ano que inicia. Um plano que envolve cônjuges, ou quem se prepara ao casamento, pais, filhos, avós, e todas as componentes eclesiais (Conferências episcopais, dioceses, paróquias, movimentos, associações) chamados a refletir sobre Amoris Laetitia (19.03.2016), a Exortação Apostólica que emanou dos dois Sínodos sobre a família (2014-2015), com os quais o Papa Francisco desejou começar o seu pontificado. E ele mesmo acompanhará este caminho por meio de dez catequeses gravadas em vídeo, que fará juntamente com famílias do mundo inteiro. Naturalmente, a isso se unirão os subsídios e recursos formativos produzidos localmente, mas com uma amplitude mundial, enquanto itinerário rumo ao décimo Encontro Mundial das Famílias, que desta vez será realizado em Roma, dia 26 de junho de 2022.

O Movimento Famílias Novas, dos Focolares, consciente do papel imprescindível da família na sociedade e no seu processo de evangelização, sente-se pessoalmente chamado a esta vasta campanha de sensibilização e testemunho, promovida pelo Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida. Na recente Assembleia do Movimento dos Focolares o tema da família teve um relevo primordial e se tornou objeto de reflexões importantes que levaram à decisão de dar á família uma atenção prioritária. Além disso, foram inseridas nas orientações numerosas moções específicas, que impelem a escutar o grito da humanidade em suas múltiplas formas de pobreza, sofrimento, marginalização, com a disposição de tornar-se, mais do que nunca, próximos dos últimos.

A família é chamada a estar na primeira fila nesta ‘reviravolta’ para a proximidade – recordou a recém-eleita presidente do Movimento, Margaret Karram, aos 800 animadores de Famílias Novas – Itália, reunidos em conferência web, dia 7 de março – a começar pelos casais em crise, pelos separados, pelos migrantes, por aqueles que vivem na solidão e no abandono, acolhendo, em todas essas pessoas, o semblante e o grito de Jesus Abandonado. Somos chamados a dar um amor novo a todos: na família, no bairro onde vivemos, no trabalho, a cada pessoa que encontramos”.

O seu encorajamento tomou impulso também do anúncio do Ano dedicado ao aprofundamento de Amoris Laetitiaque lhes dará a possibilidade – prosseguiu Margaret Karram – de descobrir como colocá-la em prática, sendo os seus promotores com outras famílias, compartilhando as muitas experiências que virão da atuação vital de seu conteúdo, e daquilo que, aos poucos, será abordado pelo próprio Papa Francisco. Vocês sabem o quanto tenho presente a herança que Chiara nos deixou: ‘sejam uma família’. Gostaria de recomendar, a vocês que são família, que não deixem faltar a ninguém, realmente a ninguém ao redor de vocês, o calor da família”.

Anna e Alberto Friso

Ex-responsáveis centrais por Famílias Novas e, por muitos anos, membros do Pontifício Conselho para a família

Para saber mais: www.amorislaetitia.va