Como parte do projeto quadrienal lançado em 2011, os Jovens por um Mundo Unido (JPMU) da região meio-norte do país aproveitaram os dias do carnaval para aprofundar mais três palavras-temas no caminho que se propuseram, com o objetivo de “Recriar a cidade”: COMPARTILHAR (o que se tem e o que se é), CONJUGAR (as forças), CONTEMPLAR (com a sabedoria que vem do alto). Eram 137 os participantes do encontro que ser realizou em Coroatá, no Maranhão.
Os três dias de encontro foram um laboratório de vida, com momentos de reflexão e troca de experiências, mas principalmente de prática daquela fraternidade que cada um sentiu-se chamado a construir a partir das próprias atitudes, para “recriar” com o amor os ambientes onde vivem.
O encontro foi marcado por muita alegria, descontração e a consciente tomada de decisão de olhar o mundo ao redor com a certeza de que a construção de um mundo unido depende de cada um: “Volto para casa ainda mais convicto de que a unidade do mundo é possível e que é preciso avançar, seguir adiante, para recriar a minha cidade com o amor de Deus”, disse Nadson. “Vocês me ajudaram a ter esperança de novo… obrigada”, declarou Josane.
Dentro da temática “conjugar”, o encontro de Coroatá se inseriu na grande preparação dos jovens para a Jornada Mundial da Juventude, de julho de 2013, no Rio de Janeiro. Ao receber a notícia da decisão tomada naqueles dias pelo Papa Bento XVI, muitos afirmaram ter sentido ainda mais forte o amor pela Igreja e pelo Papa e retornaram às suas cidades dispostos a trabalhar juntos em função desse histórico momento da juventude do Brasil e do mundo.
Um dos destaques desse dia foi o momento de oração pelos jovens vítimas da tragédia em Santa Maria/RS. Foi um momento acolhido profundamente pelos presentes, uma oportunidade também para ir em profundidade e refletir sobre a importância da vida, dos atos e de como Deus tem um plano de vida para cada um.
“Compartilhar, conjugar e contemplar… a melhor forma de recriar uma nova cidade e de mudar o mundo é mudar a si mesmo”, afirmou Luara. Outro participante disse: “Marcou-me a disposição de todos em viver aquilo que estava sendo proposto… entre nós não era mera teoria, mas realidade concreta”. “Eu precisava escutar o que escutei e viver o que eu vivi aqui no encontro. Fui contagiada pelo imenso amor de Deus. Voltando para casa com vontade de recomeçar”, confessou uma jovem.
“Este foi o meu primeiro encontro de carnaval e gostei muito, sairei daqui com muitas metas e buscarei alcançá-las. O mais importante: vivenciei um momento de partilha, aprendi a compartilhar tudo o que tenho… a conjugar, a contemplar, a viver em conjunto em meio às diferenças e apesar disso se tornar um só”, destacou José Francisco.
“Todas as realidades vividas e os temas que foram trabalhados na simplicidade trazem uma ideia de aplicação imediata e só uma certeza paira agora: podemos com o nosso sim, dia após dia, construir o mundo unido”, ressaltou Luciana.
Nem mesmo a grande distância entre as cidades de proveniência foi capaz de romper a unidade construída nesses dias. Após o retorno, em poucas horas, as redes sociais encheram-se de mensagens como esta:
“Gostaria de COMPARTILHAR com vocês minha alegria por esses dias em que estivemos juntos
construindo o mundo unido. Que alegria plena, verdadeira… proporcionou-me um retorno para casa renovado, cheio do Amor. Uma simples experiência que fiz nesta quarta-feira de Cinzas pós-carnaval foi acordar me sentindo pleno, satisfeito por usufruir da minha juventude para viver pela unidade…  Era tamanha a minha felicidade que liguei a TV, como me é habitual, mas logo desliguei, não por negar a existência de um mundo supérfluo, mas por neste momento não querer contaminar minha felicidade em experimentar dentro de mim o mundo que Deus nos deu”.