Migrants_boat crossing
Foto: Francesco Pecoraro/AP

O Movimento Político pela Unidade (MPPU), expressão do Movimento dos Focolares no campo político, faz ouvir a sua voz diante do drama das imigrações rumo à Europa, voz que se acrescenta a de muitas associações e pessoas sensíveis, no mundo inteiro.

«O plano lançado pelo vértice europeu sobre a imigração – escrevem – convocado com urgência depois da enésima tragédia acontecida no Canal da Sicília, com o gravíssimo balanço de vidas perdidas, estende a área de intervenção do Programa Tritão e de Poseidon, de modo que os navios, que aumentaram graças ao financiamento triplicado, possam chegar além das 30 milhas das costas dos países da União Europeia.

Continuam a ser ações no âmbito de Frontex, cuja lógica é a defesa dos confins europeus e não uma política migratória abrangente».

O MPPU denuncia que o plano contem em si uma forte contradição: «Os estados da União não demonstraram, absolutamente, a mesma disponibilidade na acolhida dos migrantes, como se estes não devessem chegar mais. Embora seja sabido por todos que destruir as barcaças, se (talvez) diminuirá, em parte, o incentivo dos traficantes de seres humanos, não servirá certamente, nem para salvar as vítima das migrações ilegais, nem para deter o fluxo». Sabe-se que nestes dias, nas rotas por terra da Macedônia, um trem colidiu e matou 14 migrantes que caminhavam ao lado dos trilhos.

«Uma política séria da União Europeia (e não só) em matéria de migração – continua o apelo – deveria ter bem outra perspectiva e distinguir três diferentes âmbitos de ação, pública e política. Em primeiro lugar é preciso dar um forte sinal de ativação de todos os recursos institucionais, de infraestrutura, humanos e financeiros disponíveis nos países de acolhida, a fim de aviar uma vasta mobilização para responder à emergência com instrumentos adequados e de maneira palpável, imediata, eficaz. A acolhida temporária dos migrantes e dos refugiados deve ser equilibradamente repartida no território, levando em consideração as estruturas disponíveis, a composição e consistência da população residente e a presença de redes locais de ações de solidariedade, organizadas e responsáveis».

O apelo continua com exemplos já existentes de acolhida e solidariedade, e afirma que «o Movimento Político pela Unidade assegura o seu total apoio humano e político a todos os administradores, chamados, neste período, a tomar decisões difíceis, muitas vezes impopulares (…). É dever de todo administrador público, em nível local, como nacional e internacional, fazer compreender as razões das medidas emergenciais de hospitalidade adotadas, no pleno respeito dos direitos e das expectativas das comunidades políticas, sem, todavia, subtrair-se aos deveres de humanidade e de resposta a exigências imediatas e elementares de outros seres humanos».

«Em segundo lugar – continua o texto do MPPU – é preciso que a União Europeia esclareça o equívoco fundamental que mina, nas bases, qualquer política séria de gestão dos fluxos migratórios. Não se pode invocar uma função mais incisiva das instituições de Bruxelas sem, ao mesmo tempo, fornir a União Europeia das competências necessárias e relativos recursos humanos e financeiros para desenvolver funções que os Estados membros, incluídos os mediterrâneos, não quiseram compartilhar numa perspectiva de verdadeira integração».

Em terceiro lugar – conclui o apelo -, os fenômenos migratórios que se manifestam no Mediterrâneo tem causas geograficamente e politicamente mais amplas, tocando a larga ingovernabilidade da Líbia, da Somália, de amplas regiões da África subsaariana, sem contar a desestruturação em ato dos contextos regionais do Oriente Médio, e, em especial, da Síria e do Iraque. A vastidão e complexidade das questões políticas, econômicas, sociais e culturais que caracterizam tais áreas, exigiria uma mobilização da comunidade internacional, a começar pelas Nações Unidas, para atuar um vasto plano de intervenções e de medidas de urgência, superando as contraposições e os vetos cruzados».

Apelo do Movimento Político pela Unidade (texto integral em italiano)

www.mppu.org/pt/