MyanmarChiaraLuce2«Pensava que a minha vida teria acabado como a de todos, sem desafios, mas agora “acordei” de um grande sono porque durante este acampamento recebi muita força e coragem». (William, 20 anos).  «Entendi o que quer dizer amar, servir os outros. Conheci muitos novos amigos e foi um dos momentos mais felizes da minha vida» (Maung, 21 anos). «Estes três dias foram como uma vitamina para caminhar em direção ao meu futuro». (Benjamin, 18 anos). Estas são algumas impressões recolhidas logo depois do “Acampamento Jovem” realizado em Kanazogone, uma pequena aldeia ao sul de Myanmar, de 3 a 5 de outubro.

A ideia nasceu dos Jovens por um Mundo Unido de Yangon, conhecida também como Rangoon (capital do país até 2005). Eles nos contam: «Éramos 23 jovens de Yangon. Viajamos de ônibus e depois seguimos de barco, porque não há acesso por terra, até chegar numa aldeia distante. Fomos acolhidos por uma pequena comunidade deste lugarejo, predominantemente cristã e liderada por um sacerdote focolarino, Padre Carolus. Mais de 60 jovens dos arredores juntaram-se a nós.
MyanmarChiaraLuce3Muitos participavam de um encontro deste tipo pela primeira vez. Desde o primeiro momento os jovens escutaram com atenção, acolhendo com seriedade a nossa proposta».

O programa desenvolveu-se em torno da figura de Chiara Luce Badano. «Quando começamos a ver o vídeo síntese da sua beatificação – continuam os jovens – a chuva caia tão forte que impedia que escutássemos. Improvisamos alguns jogos para esperar que parasse… Os apresentadores fizeram a proposta que rezássemos juntos pedindo a Chiara Luce que nos desse a possibilidade de escutá-la. Pouco depois, a chuva diminuiu consideravelmente. Mas o maior milagre foi o testemunho de vida que chegou ao coração de cada jovem. Foi um momento solene, como quando falamos sobre a paz dentro de nós e com quem está perto, sabendo perdoar, concluindo com um time out pela paz em todo o mundo. Muitos jovens decidiram empenhar-se em amar mais os mais próximos, os seus familiares».

MyanmarChiaraLuce1«Queríamos fazer uma ação em benefício da aldeia – eles contam. Embora a tarde estivesse muito quente, com os instrumentos trazidos pelos jovens do local fomos todos retirar a vegetação crescida ao longo do rio. Um trabalho no meio da lama, de serpentes e mosquitos… Alguns ficaram mesmo surpresos por conseguirem fazer um trabalho assim, mas em todos a alegria era transbordante! E o local se transformou em um belo jardim. À noite fizemos uma festa. Convidamos todas as famílias, agradecendo às mulheres que haviam nos ajudado a preparar as refeições naqueles dias. E superando a timidez emergiram muitos talentos».

«Mesmo se não havia eletricidade – só a do gerador – quase sem telefone e, portanto, sem internet… ah! Como foi difícil sair dali!». A viagem de retorno a Yangon será inesquecível pela alegria que o grupo experimentou, as grandes risadas, os cantos que não pararam durante as 5 horas de ônibus

«Voltando para casa – concluem – com a desculpa de um de nós que viajaria para estudar no exterior, organizamos logo um reencontro, na mesma semana, para ver as fotos e continuar a conhecer a vida de Chiara Luce. Criou-se novamente a atmosfera daqueles dias e os nossos novos amigos expressaram o desejo de imitá-la».