“Finalmente conseguimos mandar algumas notícias, primeiramente queremos agradecer a todos pelas orações que nos dão força neste momento crítico do nosso país”. Assim começa a carta que Friederike e George, da comunidade dos Focolares na Nigéria, nos expediram poucos dias depois dos últimos acontecimentos naquele país.

“As duas bombas que explodiram em Abuja – uma localidade muito povoada e onde muitos de nós passamos todos os dias – e o rapto das estudantes, em Borno, provocaram uma nova onda de sofrimentos e de desespero no povo nigeriano. As reações da população são várias: medo, resignação, raiva, vingança…”.

Mas o testemunho deles fala de paz: “Sofremos com as famílias das várias vítimas. Tentamos aprofundar bem as raízes na vida do momento presente, conscientes que o caminho para a paz encontra-se na fraternidade universal”.

“Foi uma ‘coincidência providencial’ que, em meio à desordem, estivesse previsto o início da Semana Mundo Unido (1°-11 de maio)”. Todos os anos, neste período, os Jovens por um Mundo Unido, apresentam-se à sociedade por meio de iniciativas e atividades públicas e visíveis, com o objetivo de sensibilizar o maior número de pessoas à paz e à solidariedade. Neste ano, em várias cidades, foi apresentado o Atlas mundial da Fraternidade.

E, na Nigéria? “Junto com os jovens – continuam Friederike e George – os membros do Movimento dos Focolares no local haviam programado várias atividades, tanto em Onitsha quanto em Abuja e Jos. Mas, no dia seguinte à explosão da segunda bomba, nos reunimos com a comunidade de Abuja e nos perguntamos se deveríamos ou não continuar com a preparação das atividades para a Semana Mundo Unido. Unanimemente pensamos que naquele momento, mais do que nunca, era necessário continuar a viver pela paz e suscitar a esperança em todos!”.

Foi assim que no dia 4 de maio, no Parque Millenium, em Abuja, reuniram-se oitenta pessoas, muçulmanos e cristãos, e juntos vivemos uma jornada cujo ponto central era o tema “Acolhida e Fraternidade”. Houve uma solene pausa, ao meio dia, para o Time Out: um momento de oração pela paz.

Em Onitsha, na mesma semana, os jovens promoveram um dia de atividades em um orfanato, outra atividade foi durante a feira semanal da cidade, com limpeza do ambiente e uma breve programação para convidar a todos à jornada conclusiva.

“Com os membros do Focolare – escreveram ainda – nos empenhamos com uma fé renovada na oração do Time Out pela paz; organizamo-nos para enviar um lembrete, às 11:55h, via SMS, a todas as pessoas que conhecemos. E, ainda, toda semana enviamos a muitas pessoas (anotando números de telefones de várias regiões do país) uma frase que exorta a vivência da paz. É a nossa maneira de oferecer uma contribuição para que se estabilize a opinião pública da cultura e respeito ao próximo”.