omar_diazomar_diazNa madrugada de 14 de junho, Omar Diaz, muito conhecido especialmente na América Latina, responsável pela Escola dos jovens na Mariápolis permanente Lia, na Argentina, deixou-nos improvisamente. Uma notícia que ninguém gostaria de receber.

Na manhã do domingo, dia 14, Omar iria a Rosário (distante 350 km) para votar. O programa era viajar cedo e por isso havia combinado uma carona até uma cidade próxima, Junín, onde pegaria o ônibus para Rosário. Mas, como ele não apareceu, foram procurá-lo em casa pensando que não tivesse acordado… durante a noite ele havia tido morte instantânea, provocada por um enfarte, que o deixou, porém, com uma expressão serena.

Omar nasceu em 5 de fevereiro de 1969 em Tandil, na Argentina, terceiro filho da família Diaz, e teve uma infância feliz. O pai era proprietário de um açougue e toda a família ajudava para o bom andamento do negócio, de forma que em casa nunca faltasse nada.

No final do ensino secundário entrou em contato com o Movimento dos Focolares. A espiritualidade de Chiara Lubich foi uma luz que ele abraçou imediatamente, e nunca mais deixou. Depois de concluir os estudos foi passar um tempo na Mariápolis Lia, nos pampas argentinos, e lá confirmou-se a sua vocação a consagrar-se a Deus no focolare. Em seguida foi para Loppiano (Itália), para participar da escola de formação dos focolarinos.

Passado esse período voltou à Argentina, ao focolare de Rosário. Estudou pedagogia e começou a trabalhar, primeiro como professor e depois como diretor e reitor de várias escolas e faculdades da cidade. Omar era um educador apaixonado, que jamais se contentava, ao contrário, queria ir sempre mais além, desejava que os jovens fossem marcados pela própria experiência de estudantes. Justamente este seu desejo de estar sempre atualizado o levou a frequentar cursos de pós-graduação e, ao mesmo tempo, dedicar-se às novas gerações do Movimento, particularmente aos gen 4 (meninos até 9 anos) e aos gen 3 (adolescentes). A quantidade de depoimentos que muitos deles, hoje adultos, estão deixando na sua página no Facebook é impressionante, e por isso torna-se impossível transcrevê-los aqui.

Em 2012 ele começou uma aventura nova, na Mariápolis Lia, como encarregado pela Escola de Formação dos jovens. Muitas pessoas poderiam testemunhar o seu comprometimento e o amor personalizado por cada jovem que passou pela escola, respeitando suas origens e culturas. Procurava dar tempo a cada um, para descobrir juntos os passos a serem dados a fim de crescer como pessoas e na vida espiritual.

Ele deixou-nos aos 46 anos, sem nenhum pré-aviso de sua ida. Lembramos dele com a saudação que costumava dirigir aos jovens que deixavam a Mariápolis Lia para voltar às suas cidades: “Vamos nos rever no Paraíso!”.