11201db4-c1f4-42a4-a639-751da0fe5e43_0Um evento único no seu gênero, que assinala uma novidade para os novos diplomados em Economia na Itália e na Europa. Na faculdade romana LUMSA, dias 21 e 22 de julho passado, cerca de 50 jovens pronunciaram e assinaram um código ético comprometedor. Dessa foram tornaram-se os primeiros laureados em economia a entrarem no mundo do trabalho e das profissões tendo firmado solenemente o juramento ético: a “Promessa Genovesi”.

A inciativa tomou o nome do primeiro catedrático de Economia na história, Antonio Genovesi, que ainda em 1754 fazia-se porta-voz, em Nápoles, de valores como confiança, felicidade pública e assistência mútua.

“É um pequeno pergaminho – explica o professor Luigino Bruni, idealizador da iniciativa e docente de economia no departamento de Ciências Econômicas da LUMSA – mas terá a sua força na dimensão simbólica e ‘ritual’ que a acompanha. Ler e assinar publicamente a Promessa Genovesi, num momento tão significativo como é a colação de grau – como aconteceu nesta faculdade e agora acontecerá em todas as próximas sessões de formatura – não é, para os estudantes, retórica ou folclore, mas compromisso ético”.

LumsaA Promessa representa um desafio substancial no tempo da crise e da precariedade existencial e de valores. “Esta economia mata”, afirma o Papa Francisco na Evangelli Gaudium. E o prof. Luigino Bruni acrescenta: “Hoje não se morre só por motivos ligados à medicina, mas também por omissões ou erros cometidos por economistas, financistas, empresários; e o vemos de forma dramática  depois de decisões não éticas de bancos e empresas. Por isso o compromisso ético de um diplomado em economia, o juramento de conservar determinados valores e comportamentos, não é menos relevante do que é pedido a outras profissões eticamente sensíveis, e pode contribuir a desencadear um processo virtuoso de mudança do agir econômico e social”.

Uma transformação importante para a formação europeia de alto grau, porque hoje – como sustenta o reitor da LUMSA, prof. Giuseppe Dalla Torre – “é preciso prestar atenção à economia civil, ao seu perfil ético e à superação da concepção individualista que atualmente a caracteriza”.

Este é o texto da Promessa Genovesi: “Ao receber hoje o Diploma em Economia prometo que me comprometerei em: 1) Olhar ao mercado com um conjunto de oportunidades de mútua vantagem, sem discriminações de língua, sexo, credo, cor da pele, e não como uma luta nem uma competição onde alguém vence a custo de outros; 2) Jamais tratar os trabalhadores apenas como um custo, nem somente como um capital ou um recurso da empresa; 3) Reconhecer, na minha prática profissional, que trabalhadores, sócios, colegas, fornecedores e clientes são, antes de tudo, pessoas, e com esta dignidade desejarei respeitá-las, valorizá-las, honrá-las; 4) Relacionar-me com os meus interlocutores com benevolência, confiança, retidão, justiça, magnanimidade, moralidade e respeito por cada pessoa, convencido/a que a ética da pessoa é o melhor caminho para uma economia boa e sustentável; 5) Viver o meu trabalho como espaço de realização pessoal e como contribuição ao Bem Comum”.