É espontâneo desejar o bem de quem amamos, mas hoje gostaria de propor um desafio: querer o bem de todos, também das pessoas que nos são antipáticas, de quem nos trata mal; desejar o bem de pessoas desconhecidas que por acaso encontrarmos neste dia, o bem de quem nos causou alguma mágoa. Enfim, querer o bem de todos, superando a indiferença, o ódio e os ressentimentos.
Não só querer, mas também favorecer o bem. Orar, exercitar o perdão, responder, a quem é grosseiro, com gentileza; a quem nos ignora, com atenção.
Querer o bem do outro é oferecer a outra face, é andar dois mil passos com ele se nos pedir para andar mil, é doar sempre mais do que nos é pedido, é amar a quem nos odeia, fazer o bem a quem nos faz o mal, é orar por quem nos persegue. Agindo assim, seremos reconhecidos como filhos de Deus. (Cf. Mt 5,39-44)

Apolonio Carvalho Nascimento