Ser vigilante é ser prudente, é estar atento ao apelo da caridade, é submeter a própria vontade à vontade de Deus.
Ser vigilante é estar pronto para o momento final desde agora, é viver cada dia como se fosse o último, é amar cada irmão ou irmã como se fossem únicos, é fazer-se “nada” para que Deus seja “tudo” em nós.
Ser vigilante é saber amar, também com gestos mínimos, mas com grandeza de coração, é colocar-se em último lugar, é ser o servo de todos.
Ser vigilante é saber rezar o tempo inteiro, pois a oração é o nosso relacionamento constante com Deus.
Ser vigilante é, por fim, não saber o dia nem a hora, mas manter a lâmpada acesa para o encontro com o Amor.

Apolonio Carvalho Nascimento