Devemos reconhecer a nossa fragilidade e ao mesmo tempo acreditar que somos capazes de mudar; devemos confessar nosso pecado sabendo que Deus é misericórdia infinita. Se Ele não nos condena, não nos condenemos a nós mesmos, pois o amor cobre uma multidão de pecados.
Não condenemos tampouco o outro por sua fraqueza, pois é na fraqueza que Deus revela a sua força.
O tempo que se emprega em culpar-se a si próprio e aos outros faz perder a ocasião de recomeçar juntos.
Eu perdoo o outro porque sei perdoar a mim mesmo. Eu perdoo a mim mesmo porque acredito no amor misericordioso de Deus.
Por esse amor vale a pena viver, amando-nos e perdoando-nos mutuamente.

Apolonio Carvalho Nascimento