“Em Brasília, procuramos viver a Semana Mundo Unido (SMU) de duas maneiras: propondo frases a serem vividas a cada dia, compartilhando-as por meio das redes sociais, de e-mails e de mensagens de celular; e espalhando adesivos (em carros, cadernos, agendas etc) que propõem o Amor ao próximo como a ponte que supera toda e qualquer divisão.

Tenho profundamente enraizado em mim o desejo de ‘que todos sejam um’. Quando chegam os eventos que colocam em evidência a realidade do amor recíproco e da unidade, procuro me lançar por inteiro, dando o máximo de mim para mostrar ao mundo que uma mudança verdadeira já existe e se alarga sempre mais. Este ano, isto está ainda mais forte, devido à experiência de conversão e de reescolha de Deus que todos os jovens que conheceram Alfredo (gende Goiânia, que deu sua vida pelos gen fazendo com alegria a Vontade de Deus e há poucas semanas foi para o Paraíso) têm feito. Convertendo-me e tendo Deus como meu único bem, a Semana Mundo Unido ganhou uma dimensão profunda para mim.
Diante da proposta deste ano, procurei colocar minhas mãos à disposição para tornar as ideias concretas. Um gen propôs um modelo de marca página, o que me incentivou a fazer algo também nesse sentido. Fomos vendo juntos com outros jovens como ficaria melhor até chegarmos à ideia dos adesivos. Os Jovens por um Mundo Unido de Bauru nos deram a ideia de levarmos a Semana Mundo Unido para as redes sociais e celulares. Resolvemos assim a questão dos custos com os adesivos, pois divulgando a SMU pela internet não precisaríamos fazer milhares de adesivos para serem distribuídos gratuitamente, mas poderíamos fazer apenas alguns e vendê-los entre nós.
Espalharíamos a proposta da SMU por meio dos carros circulando com os adesivos. Um gen de Goiânia e outro de Palmas ajudaram a finalizar a arte do adesivo e a mandar para a gráfica. Foi muito legal ver como cada um, de lugares tão diferentes, dava a sua contribuição naquilo que era possível desde a ideia até a concretização do adesivo.
Com as frases a serem propostas diariamente, procurei torná-las mais atrativas ao compartilhamento nas redes sociais, colocando-as em imagens que as ilustrassem bem. Mas foram as experiências feitas com a vivência dessas frases que fizeram tudo valer a pena.
Certo dia, a frase dizia que para construir pontes deveríamos sorrir para todos com quem nos encontrássemos. Não queria dar aos outros qualquer tipo de sorriso, um sorriso forçado, por exemplo. Decidi que a cada sorriso que eu desse pensaria em coisas como: “esta pessoa é Jesus, oi Jesus!”, e então sorriria de verdade, ou ainda, “Esta pessoa é muito amada por Deus, olá, também lhe amo!”, e aí sorria pra valer. Saí distribuindo sorrisos a todos pela rua. Na portaria do meu prédio trabalha um moço que não é muito simpático com os moradores, desde então tenho procurado amá-lo com esse sorriso. Não sei se ele me acha meio abobalhado, mas ele já me respondeu com um sorriso tímido por duas vezes.
Outro dia a frase dizia para darmos algo que tínhamos para alguém que precisasse mais do que nós. Neste dia dei um passo importante para mim. Tinha uma boa quantia que poupava há algum tempo, quase meu rendimento inteiro do mês, então, resolvi doar a um gen para ajudá-lo a ir ao Genfest. Pensei em tudo o que poderia fazer com aquele dinheiro, as coisas que há muito tempo gostaria de comprar, mas vi claramente que aquele gen precisava mais do que eu. Senti uma imensa felicidade por poder amá-lo com aquele presente.
Teve ainda um dia que a frase dizia para telefonarmos para um parente com quem há muito tempo não entrávamos em contato. Liguei para a minha avó, que mora a 1.200 Km da minha cidade, pois ela ficaria muito contente com a minha ligação. No entanto, quem atendeu o telefonema foi minha tia, explicando que minha avó tinha viajado. Não tenho muita proximidade com essa tia e todos sabem de seu temperamento complicado. Vi naquele telefonema uma oportunidade de estreitar meu relacionamento com ela. Conversamos por quase meia hora e gastei praticamente todo o crédito do meu celular. Mas a alegria ao final da ligação era grande. Havia amado de verdade. Fiz o propósito de ligar para ela mais vezes.”