Nos últimos meses, os e as Gen 3 – adolescentes do Movimento dos Focolares -, respondendo a um convite da Arquidiocese de Teresina (PI), têm ido regularmente visitar as crianças que encontram-se internadas em um dos hospitais da cidade.
“É uma experiência sempre fantástica pelo amor que se pode dar, mas principalmente pelo amor que se recebe! Embora gravemente doentes, as crianças participam dos cantos e brincadeiras, e este é sempre um momento de alegria que envolve todos: crianças, pais, médicos e enfermeiras”, contam.
Também no mês de dezembro, ocorreu a visita, marcada de modo muito especial pela realidade do Natal que se aproximava, como eles mesmo relatam.
“No dia 22 de dezembro, além de nós, Gen 3, foram ao hospital também alguns jovens e adultos do Movimento dos Focolares para encontrar as crianças e seus pais. Não era a primeira vez que tínhamos a oportunidade de vê-las, mas essa última foi diferente, talvez porque fosse Natal e Jesus renascesse também ali, nos pequenos e entre nós.
Foi uma experiência única que levaremos sempre conosco! Éramos apenas instrumentos de um amor concreto, o amor Daquele que nascia verdadeiramente e puramente nos nossos corações.
Ao chegar, fomos de quarto em quarto para convidar a todos. Naquele dia havia cerca de 30 crianças e algumas não puderam sair dos quartos devido à gravidade de seu estado. Com elas redescobrimos o Evangelho de maneira tão simples, com brincadeiras, músicas. Muito especial foi poder entregar a cada uma um brinquedo, o fruto da comunhão de bens feita entre as crianças do Movimento e que agora se transformava em amor para com elas! A maior recompensa, depois de sentar, brincar com as crianças e ouvi-las foi o sorriso e o brilho no olhar que recebemos delas. Era o amor recíproco que se realizava! E entendemos como basta pouco para levar Deus ao próximo, mas ‘nada do que é feito por amor é pequeno’.
Tínhamos o grande desejo de transformar aquele sofrimento em amor. Muitos iriam passar a noite de Natal no hospital e isso os fazia sofrer. Por isso, procuramos fazer daquela tarde de encontro com as crianças um encontro com o próprio Jesus. Foi maravilhoso! Uma grande oportunidade de conhecê-los melhor, como numa grande família! Éramos todos irmãos, iguais uns aos outros e o clima entre nós foi de uma verdadeira festa de Natal!
No final do encontro, entregamos uma cesta de chocolates às enfermeiras e funcionárias. Sentimos que elas mereciam grande reconhecimento; algumas delas certamente passariam o Natal no hospital, ajudando e cuidando das crianças. Sabemos que o trabalho delas não é fácil, é cansativo e requer muito amor, por isso quisemos amá-las como amamos cada criança e os pais. Elas ficaram super contentes! Diziam que era a primeira vez que haviam sido agradecidas e reconhecidas daquela forma.
Desse momento de luz levamos duas coisas: como é lindo ter a oportunidade de renegar a si mesmo, esquecer-se para entrar na realidade do próximo e experimentar a alegria concreta que isso causa. Uma felicidade que nos faz experimentar um pedaçinho do paraíso! E ainda: como Deus nos ama e como somos pequenos grãos em suas mãos! Como instrumentos devemos sempre levar esse amor a quem passa ao nosso lado!”.