20150623-0120150623-01«Neste período o Iraque está passando o momento mais difícil dos últimos decênios, afirmou um dos amigos que fomos visitar». Assim escreveram Gemma e Pierre, de Amam, do centro do Movimento dos Focolares na Jordânia e Iraque, após uma breve viagem a Erbil (Iraque). O objetivo era fazer com que a comunidade cristã sentisse concretamente a proximidade deles e de muitos outros, especialmente neste período, junto com o focolare que há muitos anos está lá. Entre os cristãos há muitas pessoas que participam do Movimento. «Estando com eles, mesmo se os encontramos cansados e sob o peso da provação, ficamos tocados em ver como estão em constante doação aos outros e continuam a crer no amor de Deus, apesar de tudo».

«Já se passaram nove meses desde quando os povoados da Planície de Nínive foram invadidos pelo Estado islâmico. A situação geral do país piorou com os últimos acontecimentos, isto é, a conquista de novos territórios. As pessoas, inclusos os nossos amigos, sentem uma grande incerteza do futuro, muitos já partiram e outros estão pensando em deixar o país».

A proximidade espiritual não é pouca coisa, tanto que no final desses dias que passamos juntos alguém confidenciou: «Perdemos tudo, não pude terminar os estudos universitários, não há trabalho… mas finalmente reencontrei a paz e decidi recomeçar o meu relacionamento com Deus».

20150623-0220150623-02No encontro com a comunidade dos Focolares – contam ainda Pierre e Gemma – vivemos um momento muito importante: declaramo-nos reciprocamente estar dispostos a dar a vida uns pelos outros, amar-nos com a mesma medida que Jesus nos amou, de maneira que Ele possa estar presente entre nós, como prometeu. Depois meditamos sobre a ligação entre a Eucaristia e a Igreja, com uma palestra de Chiara Lubich, de 1982, “A Eucaristia faz a Igreja e a Igreja faz a Eucaristia”. Estivemos também com D. Bashar Warda, bispo caldeu de Erbil, que ficou contente com a nossa visita, e pediu-nos que rezássemos mais do nunca pelo Iraque».

«Eu vim para vocês, cada um é para mim como o mundo inteiro…», disse D. Salomão Warduni, bispo auxiliar de Bagdá, da Igreja Católica Caldeia, que veio de Bagdá especialmente para esse momento. Ele exortou todos a «não ter medo, mas prosseguir na vida do ideal da unidade porque cada um de nós tem uma missão a cumprir».

«Procuro viver concretamente o amor, que se torna recíproco dentro da comunidade. Encontro na Eucaristia a força para ir adiante amando», disse um dos presentes. E também as alegrias são compartilhadas por todos. Não obstante a situação existe um grupo muito vivo de crianças e adolescentes que fizeram a edição local de Run4Unity (a corrida de revezamento mundial pela paz), com 35 meninos e meninas!

«Para nós foram dias intensos – concluem os dois focolarinos da Jordânia -, uma experiência divina e profunda. Recebemos deles mais do que podíamos dar. Quem sabe quanta vida está brotando desse grande sofrimento vivido cristãmente».