Jesus não condena a posse de bens, Ele pede que os bens sejam compartilhados com quem se encontra em necessidade.
A partilha que agrada a Deus é aquela que é fruto do amor ao irmão. Mais ainda quando ela é fruto do amor recíproco em uma comunidade. De fato, quando existe o amor mútuo, é espontâneo que aquele que tem compartilhe com quem não tem.
Os primeiros cristãos eram reconhecidos por esta característica: que se amavam e que não havia nenhum necessitado entre eles. (Cf. At 4,34-35)
Neste dia podemos ficar atentos às necessidades de quem está ao nosso lado. Podemos compartilhar não apenas o que nos sobra, mas fazer de modo que os nossos bens sejam usados para suprir a necessidade de quem passa ao nosso lado.
Agindo assim, estaremos vigilantes em reconhecer a presença de Jesus em cada pessoa que encontrarmos.

Apolonio Carvalho Nascimento