“Nós nos comprometemos a verificar a sustentabilidade ecológica de nossas estruturas e atividades (…). Queremos nos dedicar à formação de uma consciência ambiental que conduza a estilos de vida mais sustentáveis”. A “conversão ecológica” é uma das metas estabelecidas pelo Movimento dos Focolares na Assembleia Geral de 2021. Em resposta a esta necessidade urgente, nasceu o Focolare EcoPlan.

“O Movimento dos Focolares está profundamente comprometido com a conversão ecológica através de ações concretas e fomentando o diálogo com todos para a proteção de nosso planeta”, disse Margaret Karram, na abertura da quinta Cúpula de Halki há alguns dias. “Estimulados por nossa Assembleia Geral no início de 2021, decidimos tomar medidas corajosas através da criação de um plano ecológico dentro de nossas comunidades para provocar mudanças e tornar nossas vidas e nossas atividades mais sustentáveis.

Deste modo, em 3 de junho de 2022, em Estocolmo, o Movimento dos Focolares pôde apresentar seu próprio documento – Focolare EcoPlan – representando o compromisso de suas comunidades com o meio ambiente, motivado pela espiritualidade que o anima. Foi entregue oficialmente a Iyad Abu Moghli (jordaniano), Conselheiro Sênior Geral do PNUMA, diretor da Faith for Earth Initiative (Iniciativa Fé pela Terra, ndt), que disse que o EcoPlan é “uma abordagem ecológica ambiciosa e abrangente”.

Através do EcoPlan, os Focolares desejam ampliar, conectar e expandir o trabalho ambiental que já existe dentro do Movimento.

O EcoPlan, que foi desenvolvido em parceria com a FaithInvest e a EcoOne, visa inspirar os membros e as comunidades do Movimento dos Focolares a reexaminarem seus estilos de vida em relação à salvaguarda das pessoas e do planeta através dos vários aspectos da espiritualidade da unidade. Representa também uma declaração pública de compromisso ecológico, agora e nos próximos anos, como resposta aos objetivos expressos pela última Assembleia Geral dos Focolares. Apresentado no 50º aniversário do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) em 3 de junho de 2022, em Estocolmo, juntamente com planos similares de outras organizações como parte dos Planos de Fé para Pessoas e Planeta, que também incluem os planos que a Plataforma de ação Laudato Sì vem coletando ao longo do ano passado, após o histórico encontro do Papa e outros líderes religiosos, em 4 de outubro de 2021, no Vaticano.

Como primeira ação para ajudar as comunidades locais do Movimento dos Focolares a desenvolverem planos ecológicos locais de acordo com a cultura dos diversos lugares, nasceu o Seed Funding Programme (Programa de Financiamento de Sementes, ndt), um projeto de financiamento gerenciado diretamente pelos jovens. Os projetos podem ser apresentados até 30 de junho de 2022.

Estocolmo+50

Há 50 anos, foi realizada em Estocolmo a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano. Nessa ocasião, pela primeira vez, foi enfatizado que, para melhorar de forma sustentável as condições de vida, os recursos naturais devem ser salvaguardados para o benefício de todos, e a cooperação internacional é necessária para atingir esse objetivo. A ênfase foi dada à solução de problemas ambientais, mas sem esquecer os aspectos sociais, econômicos e de desenvolvimento. Logo depois, nasceu o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), sediado em Nairóbi, Quênia.

Por 50 anos, o PNUMA tem coordenado um esforço mundial para enfrentar os maiores desafios ambientais do planeta. Seu poder de convocação e sua rigorosa pesquisa científica proporcionaram uma plataforma para que os países se engajem, atuem com ousadia e avancem na agenda ambiental global.

“Pedimos demais de nosso planeta para manter modos de vida insustentáveis”, disse o Secretário Geral da ONU, António Guterres. “A história tem mostrado o que pode ser alcançado quando trabalhamos juntos e colocamos o planeta em primeiro lugar”.

No início de junho de 2022, a Conferência de Estocolmo+50 foi realizada como um momento de reflexão e revitalização para a ecologia e o cuidado com o planeta. Neste contexto, as grandes religiões do mundo quiseram expressar seu compromisso com o planeta com uma declaração interreligiosa dirigida à reunião internacional da ONU em Estocolmo+50. Mais de 200 líderes religiosos e representantes das religiões do mundo – incluindo a New Humanity (Nova Humanidade, ndt), representando o Movimento dos Focolares – pediram na reunião do PNUMA que o ecocídio ou a destruição do meio ambiente fosse considerado um crime internacional, uma vez que ataca a vida humana. Isto deve ter consequências criminais para os responsáveis e, assim, tornar-se um efeito dissuasivo e preventivo.

Através do credenciamento da New Humanity como consultora do PNUMA, estiveram presentes pelos Focolares na reunião de Estocolmo Nausikaa Haupt, Christine Wallmark (ambas suecas) e Nino Puglisi (italiano de Viena).

                                                                                                                      Carlos Mana

Texto originalmente publicado pelo site internacional do Movimento dos Focolares.