Em 13 de maio de 2022, foi realizado o evento “Giving the Environment a Network” (Dar uma rede ao ambiente). Finalmente em presença, muitos estudantes, juntamente com outros conectados via streaming de todo o mundo, celebraram e compartilharam os resultados de um ano de trabalho para o bem do planeta.

Mais de 500 jovens na sexta-feira, 13 de maio de 2022, no esplêndido cenário da Aula Magna da Universidade ‘Sapienza’ de Roma, animaram com grande alegria o que poderíamos definir como uma verdadeira celebração pela Terra que encerrou o ano escolar 2021-2022 do projeto “Dar uma rede para proteger o meio ambiente”. Estavam presentes 10 escolas secundárias do Lazio (Itália) e muitas outras, conectadas via streaming de diferentes partes da Itália e do mundo, para colher os frutos nascidos da adesão ao projeto.

Durante o ano, 8.000 alunos de 39 escolas na Itália e em outros 12 países, educados em economia energética, assinaram um pacto e o realizaram com 200 ações de economia pessoal. A monetização dessas ações, financiadas com 0,10 centavos de dólar por ação por patrocinadores familiares e contadas através do Aplicativo DPSAR, tornou possível apoiar vários projetos de solidariedade em contextos de pobreza e degradação ambiental como consequência da mudança climática. Um olhar sobre o planeta e seus habitantes a partir de nossa vida diária.

Andrea Conte, coordenador do projeto, astrofísico e professor de Matemática e Física na Escola Clássica de Pescara, Itália, conta-nos sobre isso.

O que significa dar ao meio ambiente uma “rede”?

_Este curso de educação ambiental foi concebido em 2008 em Roma pela professora Elena Pace, membro da associação Novos caminhos para um mundo unido, e o nome do projeto era inicialmente apenas “Dar para proteger o meio ambiente”. A ideia de introduzir a palavra ‘rede’, em 2019, foi realmente um salto quântico: cada classe individual continua a realizar ações concretas, mas não está mais sozinha. Cada aluno, com seus colegas de classe e com a ajuda de suas famílias, continua a realizar ações para o bem da Terra, mas está em uma rede com outras escolas fazendo a mesma coisa. Começamos envolvendo as escolas italianas e hoje esta rede tem crescido cada vez mais e mais.

Houve ações que levaram a uma verdadeira mudança?

_A criatividade dos jovens assume naturalmente a liderança. Uma escola em Roma (Itália), por exemplo, decidiu eliminar completamente o uso de garrafas plásticas, mas para isso realizou um trabalho científico, concebendo um sistema de pesagem de plástico, uma espécie de ‘plastimômetro’.  Toda vez que alguém jogava fora uma garrafa de plástico, assumia o compromisso de usar uma garrafa de água apropriada. Rapidamente eles viram uma diminuição no peso do plástico produzido e em um tempo muito curto conseguiram reduzir o plástico a zero. Foi uma verdadeira revolução.

Por que o interesse pela questão ecológica hoje está crescendo cada vez mais justamente entre os mais jovens?

_A ecologia sempre existiu, falamos sobre a mudança climática há décadas, mas hoje os jovens sentem as influências provenientes desta sociedade em constante mudança e percebem a necessidade de se tornarem ativos. Apesar de se dizer que a situação se agrava constantemente, a consciência está aumentando, assim como os projetos promovidos pelas administrações das cidades, pelas escolas, e este sentimento de cidadania está aumentando o desejo de ser indivíduos conscientes e ativos para tornar nosso planeta cada vez mais saudável.

Que mensagem você procura transmitir a seus alunos todos os dias?

_Em primeiro lugar, tenho a sorte de ensinar coisas pelas quais sou apaixonado e nas quais acredito e isso é realmente uma dádiva. Quando eu estava no colegial, eu não tinha os mesmos estímulos que eles têm e estou feliz em poder dar-lhes isso. Só comecei a perceber as dificuldades em que o planeta se encontrava na universidade, estudando astronomia e astrofísica. Quando alguém se desprende da superfície da Terra e vira seu olhar para o universo exterior, a pessoa realmente compreende a fragilidade da Terra. Portanto, sempre faço uma comparação para os alunos, dizendo-lhes que quando você se distancia de si mesmo e se volta para o outro, você realmente percebe o quanto podemos dar, cada um em sua diversidade.

Maria Grazia Berretta

Texto originalmente publicado pelo site internacional do Movimento dos Focolares.