Distribuídas em todo o território nacional, as vinte e uma organizações sociais inspiradas no carisma do Movimento dos Focolares estão dando um importante testemunho de solidariedade e de fraternidade em tempos de pandemia.

O relacionamento estabelecido com as famílias em vulnerabilidade social durante anos permitiu que essas organizações tivessem conhecimento dos muitos desafios enfrentados neste período tão difícil. E a lista é extensa.

As comunidades relatam o medo de se expor ao vírus; a situação de suas casas pequenas e muitas vezes insalubres, onde praticar o isolamento social é quase impossível; dificuldade em receber o auxílio do governo; hospitais públicos lotados; transportes públicos lotados; além das enormes taxas de desemprego que, de acordo com um estudo publicado pelo jornal Nexo, nas favelas, em 7 de cada 10 famílias existem pessoas que ficaram desempregadas durante a pandemia.

Por tudo isso, sabemos que a pandemia não é democrática.

“Mesmo em meio às dificuldades, temos o desejo de continuar agora com maior vigor a ‘dar a vida’ pela nossa gente. Por isso, as organizações sociais continuam a atender de uma nova forma nas comunidades onde estão inseridas. Não há atividades presenciais, mas o trabalho incessante continua”, destaca Virgínia Tesini, responsável nacional pelas obras[1] sociais do Movimento dos Focolares.

Todas as organizações realizaram ações solidárias nesse período. E gostaríamos de compartilhar com vocês alguns números dessa rede de generosidade, graças ao contributo de muitos membros e amigos do Movimento dos Focolares e dessas organizações.

A criatividade é grande e até mesmo cestas básicas com alimentos típicos de festas juninas estão sendo entregues reforçando também a nossa cultura.

“Além disso, diversas das nossas organizações fizeram “lives” para recolher arrecadações, gincanas solidárias, doação de obras de arte de artistas com venda pelas redes sociais e doação dos valores para a organização, atendimento virtual com equipe de profissionais para pessoas que sofrem de depressão e ansiedade, cursos, ações de prevenção ao coronavírus e, inclusive, geração de emprego e renda com a confecção de máscaras, para citar apenas algumas iniciativas”, completou Tesini.

Diante de realidades tão desafiadoras e respostas tão imediatas e humanas, não nos resta senão concordar com o Papa Francisco em sua carta aos movimentos populares, da qual reproduzimos um trecho abaixo:

“Se a luta contra o COVID-19 é uma guerra, vocês são um verdadeiro exército invisível que luta nas trincheiras mais perigosas. Um exército sem outra arma senão a solidariedade, a esperança e o sentido da comunidade que reverdecem nos dias de hoje em que ninguém se salva sozinho. Vocês são para mim, como lhes disse em nossas reuniões, verdadeiros poetas sociais, que desde as periferias esquecidas criam soluções dignas para os problemas mais prementes dos excluídos.”

Confira algumas fotos das ações.

Se você deseja contribuir, mesmo que à distância com alguma ação de solidariedade das obras sociais do Movimento dos Focolares, confira a lista abaixo com seus pontos de comunicação.

– Região Sul:

– Região Sudeste:

  • Vargem Grande Paulista (SP) – Mariápolis Ginetta – SMF – Sociedade Movimento dos Focolari
  • Itapetininga (SP) – ANSPAZ – Associação Nossa Senhora Rainha da Paz (com atuação nacional)
  • Guaratinguetá (SP) – Fazenda da Esperança – Campanha emergencial para abrigar moradores de rua (organização com atuação internacional)
  • São José do Rio Pardo (SP) – MAPEAR – Associação Mobilizando Amigos pelo Amor
  • Rio Grande da Serra (SP) – PROFAVI – Promoção a Favor da Vida
  • São Paulo (SP) – AFAGO-SP -Associação de apoio à família, ao grupo e à comunidade – São Paulo
  • Rio de Janeiro (RJ) – Grupo Pensar
  • Rio de Janeiro (RJ) – CMSMA – Casa do menor São Miguel Arcanjo (com atuação internacional)
  • Juiz de Fora (MG) – Casa Bethanea

– Região Centro-Oeste:

  • Brasília (DF) – AFAGO-DF – Associação de apoio à família, ao grupo e à comunidade do Distrito Federal

– Região Nordeste:

– Região Norte:

[1] Aqui também colocaria organizações sociais